Redação

Instituído pelo Governo do Estado no início dos anos de 1990 para apoiar a criação de gado para o abate precoce, o programa Novilho Precoce deve passar, pela primeira vez, por adequações. Dentro dos próximos 60 dias, um grupo instituído por decreto do governador Reinaldo Azambuja, publicado nesta sexta feira (6) no Diário Oficial, irá estudar proposta para tornar o programa mais adequado a conjuntura econômica atual.

A formulação de mecanismos que assegurem maior transparência e segurança na tipificação da carcaça é um dos diversos itens que devem ser estudados pelo grupo, segundo o secretário de Produção e Agricultura Familiar, Fernando Mendes Lamas. “Imediatamente a publicação dos nomes dos membros, a Secretaria de Produção e Agricultura Familiar (Sepaf), que é a coordenadora deste trabalho, os reunirá para traçar as primeiras metas e, em tempo hábil, oferecer ao governador uma proposta que venha ao encontro das necessidades que o programa tem hoje, de se adequar a nova realidade da pecuária do Estado, cada vez mais moderna e mais dinâmica”, disse.

Ao destacar que os incentivos oferecidos através do Programa Novilho Precoce serão mantidos durante os estudos, o secretário lembrou que, desde a sua concepção até os dias de hoje, nenhum estudo mais profundo havia sido realizado para avaliar sua eficácia. “Sabemos que os resultados até aqui são bons, mas temos convicção de que pode melhorar muito e é nisso que vamos trabalhar a partir de agora”, reiterou.

Segundo Lamas, as mudanças significativas no perfil do pecuarista, as novas tecnologias e os números cada vez mais positivos do setor produtivo do Estado fizeram com que a equipe de governo decidisse pela realização deste trabalho, que ele acredita que deve trazer ainda mais segurança ao Estado com relação aos recursos que são dispensados ao Programa, ao mesmo tempo em que oferecerá grande possibilidade de ampliação do número de pecuaristas beneficiados.

Foto: Divulgação/Assessoria