por Jhoseff Bulhões

O combate aos focos do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e, também, da Chikungunya e vírus Zica passa a contar com mais 200 pessoas que irão atuar em diversas frentes de trabalho. Este reforço acontece com os novos trabalhadores que a Prefeitura de Campo Grande contratou por meio do Programa de Inclusão Profissional (Proinc). Esses novos colaboradores estão sendo capacitados na Escola Municipal de Governo (Egov) e vão agir em diversos bairros da Capital.

De acordo com o supervisor de áreas do Centro de Controle de Endemias e Vetores (CCEV), Reginaldo de Oliveira para oferecer o treinamento o grupo foi dividido em três turmas o que facilita o trabalho. “Os funcionários estão recebendo noções básicas para combater o mosquito, conhecendo  o biotipo do vetor Aedes aegypti, os tipos de depósitos, a maneira para eliminar os depósitos e tratamento com larvicida”, explicou.

O supervisor Reginaldo de Oliveira durante o curso fez a exposição dos materiais que serão usados pelos agentes de saúde. “Estamos passando informações para que eles façam o manuseio correto das banheiras, material para pescar larva, lanterna, linha para ser utilizada em locais de muita profundidade, o uso da pipeta, álcool a 50 graus, já preparado, giz para indicar os quarteirões onde passaram os agentes. Também a utilização do boletim de ocorrência. Todo este trabalho é fiscalizado pelos supervisores de áreas e também pelo Ministério da Saúde”, completou.

Para o recém-contratado ao cargo de agente de saúde, Alex Rodrigues Pereira, 22, é um trabalho temporário, mas chegou em boa hora. “São ensinamentos importantes que estamos aprendendo e que serão repassados para a população”, comentou.

Cleison Caetano, 23, disse que não é tão simples ser um agente de saúde. “Esta preparação mostra a seriedade como que o poder público vem tratando o combate a dengue, a Chikungunya e a Zica. Juntos, nós vamos trabalhar e buscar o apoio da população”, frisou.

Foto: Reprodução