Avelino Neto

Desde a tarde desta quinta-feira (21) os policiais militares de Mato Grosso do Sul precisam passar por instruções antes da equipe entrar em serviço e terão que receber instrução através de palestras e serão acompanhados de oficiais em ocorrências consideradas de vulto ou de grande repercussão. A determinação do Comando Geral da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul é assinada pelo comandante geral coronel Deusdete Souza de Oliveira Filho.

O documento datado de quarta-feira (20) e de conhecimento público no final da tarde desta quinta-feira, determina que antes de assumir o serviço, todas as guarnições passem por preleção. E, em todas as ocorrências de vulto ou de grande repercussão, será obrigatório o acompanhamento de um oficial que dará as orientações.

A Ordem de Serviço aos comandantes de unidades

Determino a esse comandante que obrigatoriamente, antes de assumir o serviço, todas as guarnições passem por preleção por autoridade competente a respeito dos seguintes temas:  Direitos e garantias individuais, procedimentos de ocorrência e demais temas pertinentes ao serviço policial militar outrossim, doravante será obrigatório o acompanhamento por oficial dando as orientações devidas em todas as ocorrências de vulto ou que tenha repercussão, devendo informar o escalão superior sobre fato e providências.

“É para passar informação na hora de assumir o serviço. É uma forma do policial militar buscar proteção dele também, não que ele não tenha a informação, quanto mais  informações ele tiver a respeito, menos risco corre de incorrer em alguma situação que possa trazer algum prejuízo para o próprio policial, para a instituição”.

Eu defendo que toda viatura tenha um oficial comandando, não que demais policiais não tenham condições de tomar decisões, tem sim, todos têm, mas se o oficial estiver lá, é um policial a mais pra tomar decisão.  Onde tem três, ou quatro pessoas, na hora de uma decisão sempre vai sair um juízo melhor”, afirma Edmar Soares da Silva, presidente  da ACS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul).

Caso envolvendo adolescente

A decisão do comando ocorre em pleno “fervor” da situação envolvendo uma guarnição do 1º BP e um adolescentes supostamente infrator. Ele e um desconhecido ocupando uma motocicleta e fugiram de uma ordem para abordagem.

Na fuga o adolescente teria sido ordenado a pular da moto enquanto o condutor fugia, ao ser abordado e questionado sobre o condutor da moto, ele denuncia ter sido agredido pelos policiais. Levado pelo pai à Corregedoria da PM, os três policiais da equipe (GU), entre os quais a cabo comandante foram chamados para explicações e saíram preso acusados de agressão ao adolescente, segundo denúncia, mesmo sem nenhum exame médio legal que confirmasse alegação.