Um dos méritos de Jair Ventura destacados por seus jogadores desde o ano passado é interferir bem na partida. Enxergar o que é necessário e colocar o dedo na ferida nas alterações. No estádio Nilton Santos, semana passada, isso não se viu. Em Santiago, sim.

Diferente de quando tirou Camilo para escalar Matheus Fernandes, desta vez Jair Ventura escalou o garoto Guilherme do lado esquerdo para atacar o setor de Fierro. Esperou para colocar Roger, convenhamos, porque Roger não dá certeza de efetividade. Mas da alteração nasceu o gol da classificação.

Diga-se que Pimpão é um símbolo do Botafogo tático de Jair Ventura. Jogou contra o Colo Colo, em Santiago, como atacante.Mas marcou a saída de bola de maneira intensa. Normalmente, é o quarto homem de meio-de-campo, pelo lado esquerdo. Depois da saída de LIndoso para a entrada de Roger, passou a fechar a linha pelo lado direito.

Dizem que tem coisas que só acontecem com o Botafogo. Mas há coisas que só se passam com o Colo Colo. Como sofrer gols que eliminam da Libertadores no gol norte do estádio Monumental. Foi assim contra Cleiton Xavier, do Palmeiras, em 2009, contra Jonathan Fabbro, do Cerro Porteño, em 2011, contra Rodrigo Pimpão, do Botafogo, em 2017. É a sexta Libertadores seguida em que o Colo Colo é eliminado no grupo de um clube brasileiro. Palmeiras, em 2009, Cruzeiro em 2010, Santos em 2011, Atlético em 2015 e 2016, Botafogo na noite de quarta-feira.