O Governo busca parcerias com as prefeituras de Mato Grosso do Sul para implantar o projeto Rede Solidária nos municípios do Estado. Em visita ao projeto Rede Solidária Unidade 2, no bairro Noroeste, em Campo Grande, as primeiras-damas Fátima Azambuja (Estado) e Leila Gonçalves Azambuja (Maracaju), acompanhadas da vereadora do município Marinice Penajo, conversaram sobre a possibilidade de levar as ações desenvolvidas no programa estadual para as cidades do interior.

Conforme Fátima Azambuja, o projeto Rede Solidária nasceu em Campo Grande como embrião para demais cidades sul-mato-grossenses e agora o Estado busca junto às prefeituras parceria que concebam a sua implantação.

“Hoje eu trouxe a Leila porque ela teve interesse em conhecer as ações do Rede Solidária. Como o nosso objetivo é ampliar esse atendimento às famílias sul-mato-grossenses, estamos trazendo todos que tenham interesse, para futuramente podermos firmar essa parceria Estado e prefeituras”, explicou Fátima.

O projeto, que hoje já conta com duas unidades em Campo Grande, foi inaugurado em novembro de 2015 no bairro Dom Antônio. Em pouco mais de um ano, em parceria com o Senai, no Rede Solidária Unidade 1, cerca de 1350 pessoas já receberam ou estão em fase de conclusão de cursos de qualificação profissional.

As áreas de atuação são de panificação, corte e costura, modelagem, auxiliar de escritório, eletricista, assistente administrativo e operador de computador. Na unidade 2, que está atendendo em pouco mais de um mês, já são 185 pessoas que estão recebendo qualificação profissional.

“Eu vim conhecer o projeto porque queremos levar para Maracaju esse modelo de atendimento para as pessoas. Hoje, temos ações pulverizadas e queremos implantar o Rede Solidária para centralizarmos todas as atividades que desempenhamos”, disse a primeira – dama de Maracaju, Leila Azambuja.

Resultados

São cerca de mil crianças atendidas nas unidades 1 e 2 do projeto. Essas crianças hoje recebem atendimento que vão desde o acompanhamento escolar até atividades como dança, esporte, teatro, musicalização e lazer.

“Os benefícios são muitos, considerando que o projeto insere as crianças nas atividades e tira do abandono das ruas, como também ajuda as famílias na qualificação profissional o que resultará na melhora de renda familiar”, completou Fátima Azambuja.

Os números também são promissores quando se fala em atendimento geral nas comunidades onde o Rede Solidária atua. São mais de 35 mil atendimentos à comunidade local dos bairros Dom Antônio, Noroeste e região.