Nos grandes palcos que chamamos de passarela, vemos todos os tipos de beleza. Concurso de misses e misters em várias categorias e definições de títulos. Mas um tipo de beleza passa despercebido. No mês de abril, se comemora o Dia do Índio, com muitas festas em suas aldeias neste Brasil afora. Esses guerreiros de uma cultura riquíssima mostram as suas qualidades como seres humanos.

E em Mato Grosso do Sul não é diferente. No município de Anastácio, precisamente na Aldeia Urbana ‘Aldeinha’, muito mais que um concurso, a idealização de um projeto o ‘Exoketi Terenoe’, da professora Flávia Rohdt, tem como objetivo fortalecer a beleza e a cultura indígena nas suas mais diversas representações. É a difusão de inúmeras e singulares formas de expressões.

O evento que aconteceu na noite desta terça-feira (18), teve a beleza indígena com um encanto único: o belo e o natural, com pinturas em seus corpos com uma verdadeira obra de arte. Rostos de mil expressões com recursos naturais, muitos ainda extraídos da natureza. Essa arte é uma identidade brasileira com traços exclusivos, e, esta estampada na moda, levando para o mundo o conhecimento indígena que temos muito que aprender.

A participação foi aberta a crianças e adolescentes. Em sua quarta edição, o público aguardava em fervor cada participante que entrava. Cada candidato na passarela, suas torcidas deliravam com muita agitação de apoio, um show. Torcidas com direito a queima de fogos de artifício. O concurso foi realizado na quadra de esportes da Escola Estadual Guilhermina da Silva, com uma lindíssima passarela. Outra particularidade foi o Hino de Mato Grosso do Sul, cantado pela professora Tisa Tati, finalizado na língua Terena.

Essa é a nossa verdadeira riqueza na arte e na moda. Pinturas e traços artísticos, formas gráficas dos índios brasileiros neste universo colorido voltado ao mundo indígena. Evento como esse faz com que a história não se perca, e nossas crianças e adolescentes continuem com o legado de se manter viva essa cultura.

Fotos: Arumí Figueiredo