Preço das carnes bovina e suína sobe e valor do frango fica mais competitivo

O professor Argemiro Brum, da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí) apresenta o cenário para os principais produtos agrícolas: arroz, feijão, soja, milho e carnes.

O arroz continua com tendência de alta no Rio Grande do Sul devido a desvalorização do real, o que aumenta o ganho com as exportações do produto. O saco de 50kg fechou em Santa Catarina a R$ 42,00 e, em São Paulo, o saco de 60kg a R$ 59,00. Já o feijão, especialmente o carioca, fica com o preço firme. Nas praças nacionais, o feijão carioca fechou com o valor entre R$ 260 e R$ 300 para o saco 60kg, enquanto o feijão preto bateu entre R$ 140 e R$180,00.

Argemiro explica que a dificuldade de abastecimento está provocando um aumento expressivo no valor do boi gordo e também da carne suína. No Triângulo Mineiro, a arroba está R$ 194,00 e, em Goiânia, R$ 205,00. O suíno também teve alta; o quilo vivo fechou em R$ 5,35 no Distrito Federal.

Para a carne de frango, diante do aumento do valor da suína, o preço ficou mais competitivo. As médias do quilo vivo iniciaram o mês de novembro em R$ 3,16 no Paraná e em R$ 3,00 no Rio Grande do Sul.