As 40 mil máscaras que o Governo do Estado está confeccionando às comunidades carentes e setores que promovem assistência social em Mato Grosso do Sul, já começaram a ser distribuídas para ajudar pessoas em vulnerabilidade social no combate ao novo coronavírus.

A ação é resultado do trabalho conjunto da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) com a Sedhast (Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho) e Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial).

“No início deste mês, a empresa Corttex fez uma doação ao Governo do Estado de 40 mil recortes de tecido para confecção das máscaras, via Semagro. Esses recortes chegaram à Sedhast e ao Programa Rede Solidária. Hoje somos os responsáveis pela confecção das máscaras utilizando costureiras formadas pelo curso de costura oferecido pelo Senai e também dos instrutores e funcionários do projeto”, relata Rodrigo Barione, assessor da coordenação executiva do Rede.

Parte do que já foi produzido começou a ser entregue à Sedhast, que destinará primeiramente aos funcionários que fazem atendimento direto às famílias assistidas por programas como Vale Renda e comunidades indígenas, que já estão recebendo cestas de alimentos do Governo do Estado. Essas famílias também estão na programação de entrega das máscaras. A previsão para a próxima semana é iniciar a doação da produção para comunidades carentes de Campo Grande.

Em média 400 máscaras são produzidas por dia na Unidade II do Programa Rede Solidária, localizada no bairro Noroeste, em Campo Grande. Mas para atingir essa meta foi necessário aprimorar as técnicas de costura e acabamento. “No começo foi difícil adaptar as máquinas e a maneira de costurar, pois é diferente de qualquer outra peça de roupa, por exemplo. Agora que já conseguimos formular um método de trabalho, acredito que vamos aumentar essa margem. Até agora pelo menos 4 mil máscaras já foram produzidas”, conta Elisangela Ferreira, instrutora da Unidade II do programa.

Nessa ação o projeto conta com 30 pessoas, entre instrutores, funcionários e voluntários, que se dividem em turnos, mantendo as recomendações sanitárias e escalados em quatro frentes de trabalho: costura, dobragem, acabamento e embalagem.

Vale lembrar que o uso de máscaras, tanto as descartáveis como as de tecido, é orientação do Ministério da Saúde e da Secretaria de Saúde do Estado no combate ao coronavírus, sendo obrigatória em várias situações como, por exemplo, no transporte público na Capital.