2 dezembro, 2020
Home Especial Ministro anuncia que Brasil deve assinar acordo para produção de vacina de...

Ministro anuncia que Brasil deve assinar acordo para produção de vacina de Oxford esta semana

Ministro interino da Saúde, o militar Eduardo Pazuello Foto: Jorge William / Agência O Globo

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta terça-feira que o Brasil deve assinar nesta semana um acordo para a produção da vacina contra covid-19 em parceria com a Universidade Oxford. Pazuello participou de uma audiência na Comissão mista do Congresso que acompanha as açoes relacionadas ao novo coronavírus.

— Estamos fechando com a Casa Civil o compromisso de participação do Brasil, estamos em ligações paralelas bem adiantadas com as as universidades, envolvendo a Fiocruz e a BioManguinhos. A Casa Civil está analisando a assinatura para os próximos momentos, hoje ou amanhã, ainda nessa semana — afirmou o ministro.

De acordo com ele, o Ministério da Saúde fez uma matriz para analisar quais estudos eram os mais promissores no mundo nesse campo e escolheu trabalhar diretamente com três: a de Oxford, uma americana e uma chinesa.

—  É o objetivo número 1 do SUS que a gente tenha acesso e entrada direto junto à estrutura de fabricação — afirmou Pazuello. — Na América Latina só o Brasil tem essa competência.

Nova orientação de testagem

Durante a apresentação o ministro também anunciou que o Ministério da Saúde vai lançar orientação para considerar exame clínico em notificações de covid-19. A medida deve ser anunciada ainda nessa semana.

De acordo com a diretriz, o diagnóstico feito por médicos e não somente aqueles com exame laboratorial serão notificados como casos da doença. A iniciativa já havia sido mencionada anteriormente pelo Ministério da Saúde, mas é a primeira vez que ela será apresentada como um documento com diretrizes.

—  Fizemos orientação para testagem em massa e diagnóstico e ela já está pactuada e aprovada. Isso demorou um pouco porque a gente precisava tirar todas as dúvidas para apresentar. Isso vai ser apresentado hoje na coletiva de imprensa, ou amanhã —  afirmou.

Pazuello afirmou que a nova orientação determina que a análise do médico é soberana. Segundo ele, a medida é uma tentativa de se aproximar do número real de contaminados no país.

— Ela prevê que o diagnóstico clínico é soberano e nossos médicos têm sim capacidade e direito de diagnosticar o paciente e dar o protocolo de atendimento que ele achar. O diagnóstico clínico passa a ser base de dados para que possamos compreender a evolução da doença e não ficar apenas imaginando se o teste tem 30% de erro, de foi feito na hora errada — disse o ministro.

(O Globo)