Exercício de máscara faz mal?

Os médicos alertam que, em muitas localidades, ainda não é momento de relaxar o isolamento social. Essas flexibilizações precoces podem provocar aglomerações, que favorecem a transmissão do novo coronavírus. Entre os médicos consultados pelo EU Atleta, há outro consenso: quando a prática de exercícios fora de casa for possível, além de contar com calçados e roupas próprios para a atividade escolhida, deve-se usar máscaras.

Reduzem o risco de infecção por vírus transmitidos por vias respiratórias, como o novo coronavírus. Quando usadas corretamente durante atividades físicas, as máscaras, incluindo aquelas caseiras de algodão, já podem oferecer essa proteção se, no ar, há aerossóis com o SARS-Cov-2;
Tendem a causar desconforto durante a prática do exercício, especialmente os aeróbicos, pois o aumento da temperatura local da face gera desconforto, principalmente em climas quentes e úmidos. Além disso, a máscara cria uma barreira, aumentando o esforço ao respirar. Contudo, depois de algum tempo, é possível se acostumar com elas. Nesse processo, é recomendável diminuir a intensidade do exercício e não se preocupar em manter a performance no nível anterior à pandemia de Covid-19;
Não comprometem a entrada de oxigênio ou a exalação do gás carbônico. Isso é um mito. O uso de máscaras durante a atividade física não causa intoxicação por gás carbônico;
Devem ser trocadas sempre que ficarem úmidas. Enquanto as máscaras tendem a garantir proteção por duas a três horas em situações normais, ao praticar exercícios físicos, esse tempo tende a ser reduzido. A máscara úmida aumenta o efeito aerosol e, consequentemente, a transmissão viral;
O constante reposicionamento da máscara com as mãos durante a atividade física invalida qualquer medida higiênica de proteção. O ideal é colocar a máscara corretamente e só mexer novamente nela na hora em que ela ficar úmida e precisar ser trocada por outra;
Não são a única medida necessária para evitar o contato com o novo coronavírus, inclusive ao se movimentar. É preciso manter distância das demais pessoas e redobrar os cuidados de higiene, como a limpeza das mãos com água e sabão ou álcool gel, quando não for possível lavá-las.