Vândalos arrancam mudas de área de recuperação

Ato de vandalismo foi cometido no último final de semana onde pequenas árvores foram arrancadas e outras cortadas em área de projeto piloto para a recuperação da mata ciliar em Aquidauana.

Os alunos do curso de Engenharia Florestal da UEMS participaram em novembro passado de uma das etapas desse projeto desenvolvido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMA), que tem como objetivo do plantio de 4 mil mudas em Aquidauana visando a recuperação das áreas degradadas.

Na ocasião foram plantadas 180 mudas em uma área próxima às margens do rio Aquidauana, que pertence ao poder público e que não pode ser habitada. Na ação foram plantadas mudas de 14 espécies, envolvendo plantas nativas e frutíferas (Amora, Angico-vermelho, Água-pomba, Bocaiúva, Canafístula, Ingá, Ingá-de-metro, Jacarandá-caroba, Jenipapo, Jatobá, Paratudo, Saboneteira, Vinhático e Tarumã).

O projeto que deveria ser um estímulo a população da região e um gatilho para que mais ações dessa natureza fossem realizadas, está sendo destruído por aqueles que, futuramente, serão os principais beneficiados pela área arborizada.

Das 180 mudas plantadas, cerca de 30 já foram arrancadas ou cortadas pela população. Na tentativa de reduzir este impacto, a SEMA atua nas áreas realizando o manejo e o plantio de reposição.

Vale ressaltar que o projeto é proveniente de um acordo entre prefeitura e Ministério Público que prevê o plantio em trechos urbanos onde a mata ciliar do Rio Aquidauana, e de seus tributários, foi devastada pela ação humana.

Segundo o artigo 49 da Lei Federal nº 9.605/1998 é previsto multa e detenção de até três meses para quem destruir, danificar, lesar ou maltratar, por qualquer modo ou meio, plantas de ornamentação de logradouros públicos ou em propriedade privada alheia e se constatado que o crime foi culposo, com a intenção de cometer, a pena pode ser ampliada para até seis meses.

A prefeitura disponibiliza o telefone 3241-1912 (número da SEMA) para que a população possa denunciar crimes cometidos contra o meio ambiente. A Polícia Militar Ambiental é parceira da prefeitura no projeto e também pode ser acionada caso seja constatado vandalismo nas áreas em recuperação (3241-3675).