Sala Lilás para atendimento humanizado à mulher, em Sidrolândia - Divulgação/Governo de MS

O policial civil Elbesom de Oliveira, de 41 anos, foi denunciado pelo Ministério Público de Mato Grosso do Sul por estupro de uma detenta em Sidrolândia e virou réu em ação penal apresentada em 25 de abril à Vara Criminal da cidade.

O policial foi preso em 14 de abril, e os crimes ocorreram nos dias 4 e 11 daquele mês, datas em que Elbesom estava de plantão. O caso foi descoberto quando demais detentos viram a vítima voltando para a cela depois do segundo abuso e questionaram porquê ela chorava tanto. Ela, então, contou o que havia ocorrido.

Demais presos da delegacia de Sidrolândia ameaçaram o investigador de polícia a entregar celular a eles na cela para que não contassem o que ocorreu, no entanto, no dia seguinte, eles avisaram a delegada sobre o que ocorreu e a própria vítima confirmou os abusos, comprovados ainda pelas câmeras de segurança da unidade.

A então presa, de 28 anos, foi abusada, nas duas vezes, na Sala Lilás da delegacia, criada para atendimento humanizado de mulheres vítimas de violência. O local possui sofá e tapetes de EVA.

Conforme a denúncia do MPMS, Elbesom, entre os dias 4 e 11 de abril, ameaçava a detenta todo tempo, e mesmo nos dias em que não estava de plantão, se fazia presente na ala de custódia de forma a intimidá-la. Também disse a ela que a mataria caso contasse para alguém sobre o abuso.

A denúncia foi aceita pela juíza Sílvia Eliane Tedardi da Silva em 27 de abril. Elbesom permanece preso em cela da 3ª Delegacia de Polícia de Campo Grande e foi afastado de suas funções. A vítima foi solta e responde em liberdade por tráfico de drogas, crime pelo qual foi presa em 4 de abril. (*Com informações do Campo Grande News)