Mensagem enviadas em rede social pelo diretor Marcos Carneiro - Reprodução/Jornal da Nova

Mãe de uma aluna procurou a delegacia de Polícia Civil, nesta quarta-feira (11), para denunciar assédio sexual contra a filha de 15 anos. O suspeito é diretor da Escola Municipal Efantina de Quadros, Marcos Eduardo Carneiro, em Nova Andradina. Ele foi afastado das atividades, até o fim das investigações.

Entre as mensagens, que foram apresentadas na DAM (Delegacia de Atendimento à Mulher), o diretor marca encontro com a jovem no Simted (Sindicato dos Trabalhadores em Educação), afirmando que está calor e que vai para lá, na intenção de vê-la e se refrescar na piscina.

Também chega a dizer em determinado dia que a menina está “uma delícia” e é advertido pela aluna. “O senhor sabe que vc comentou no meu story pra todo mundo vê, né? (sic)”.

Em outra, ele a convida para sair. “Precisamos marcar alguma coisa juntos, quando você quiser e puder. É só me avisar. Inclusive hoje”. A mensagem é do último dia 23 de abril.

Também há prints divulgados em que ele afirma querer “morder” a boca da adolescente. “Eu fico olhando a sua foto. Vc tem uma boca maravilhosa. Sem maldade, mas da uma vontade de dar uma mordidinha. Rssss (sic)”. A troca de mensagem começou em janeiro deste ano.

Adolescente enviou mensagens advertindo professor – Reprodução/Jornal da Nova

A mãe da jovem, que terá o nome preservado pelo fato envolver menor de idade – disse que soube das mensagens depois que a alertaram sobre divulgação nas redes sociais. Ela relata estar indignada. “Minha filha estudou nesta escola desde pequena, a gente confia nos professores e quem trabalha na instituição e agora ele se aproveitando da condição de diretor para ficar galanteando menores”.

A mulher ainda alerta que os pais fiquem atentos. “Todas as mães que descobrirem se suas filhas ou filhos sofreram algum tipo de abuso, denuncie na delegacia, essas coisas não podem ficar impunes”, destacou.

À reportagem, a delegada titular da DAM, Daniella Nunes, confirmou que investiga a denúncia e que o caso está em segredo de Justiça. “Foi realizada denúncia de possível assédio sexual por parte de um funcionário público de uma escola local, mas tudo está sob sigilo por envolver menor”, frisou.

Posicionamento da escola

A diretora adjunta da escola, Valdirene Cáceres Menezes, confirmou que tomou conhecimento da denúncia e que o diretor foi afastado pela Semec (Secretaria Municipal de Educação, Esporte e Cultura) até o fim da apuração policial.

A Semec, por meio da secretária Giuliana Masculi Pokrywiecki, informou que já abriu um PAD (Procedimento Administrativo Disciplinar) e também acompanha a investigação. (*Com informações do Campo Grande News)