Paris: homem-bomba foi barrado em estádio antes de explosão

31

Terra

As autoridades francesas já calculam mais de 100 mortos nos atentados realizados nesta sexta-feira, em vários pontos de Paris, naquele que é reconhecido como o maior ataque terrorista da história da França. Segundo informações recentes, contudo, a noite poderia ter trazido ainda mais horror à capital, já que um dos terroristas tinha ingresso para a partida entre França e Alemanha no Stade de France. Naquele momento, mais de 80 mil pessoas ocupavam as cadeiras do estádio e poderiam ter sido alvejadas.

A notícia foi publicada pelo The Wall Street Journal no início da tarde deste sábado, na qual o mundo tenta assimilar os atentados quase simultâneos em Paris, Bagdá (Iraque) e Beirute (Líbano). De acordo com o jornal, um homem-bomba foi barrado na entrada do estádio quando o placar da partida já mostrava 15 minutos de bola rolando.

O guarda responsável pela proibição depôs à publicação e pediu para ser identificado apenas pelo seu primeiro nome, Zouheir. De acordo com o funcionário, o terrorista vestia um colete de explosivos quando surgiu no portão de acesso ao estádio. As bombas foram detonadas logo após a decisão do segurança, que afirma ter tentado deter o suspeito.

As declarações foram referendadas pelo promotor parisiense François Molins. A polícia local também confirma a informação, alegando que o atacante teria a intenção de causar a explosão dentro do estádio, onde 80 mil pessoas assistiam à vitória da França sobre a Alemanha.

Três minutos após esta primeira explosão, a segunda leva de bombas foi detonada. Por fim, o terceiro ataque suicida ocorreu nas proximidades de um McDonald’s, também situado nos arredores do Stade de France. Os estampidos foram ouvidos pelas duas torcidas presentes na arena, e devidamente registrados pela captação de áudio das emissoras que transmitiam o jogo.

Foto: Getty Images