Redação

Por ordem da ministra do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Luciana Lóssio, o ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho foi transferido no início da madrugada deste sábado (19) para hospital particular Quinta D’Or, na Quinta da Boa Vista (zona norte do Rio). Garotinho provocou tumulto na noite de quinta-feira (17) ao tentar resistir a deixar o hospital Souza Aguiar, no centro do Rio, onde estava internado após ter sido preso na quarta (17).

O ex-governador foi preso pela Polícia Federal acusado de usar programas sociais para comprar votos. Ele teve um pico de pressão enquanto estava na sede da PF, o que motivou sua primeira internação. Mas, diante da denúncia de que ele estaria recebendo regalias no Souza Aguiar, o juiz Glaucenir Silva de Oliveira, do TRE-RJ (Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro), determinou que ele fosse transferido ontem para o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste da cidade.

O ex-governador deverá passar por um cateterismo e outros exames médicos. A juíza determinou ainda que o pedido de habeas corpus feito pela defesa do governador seja avaliado na próxima sessão do tribunal e determina que, caso seja “ultrapassado o prazo necessário para a conclusão dos exames e procedimentos médicos” antes do julgamento, o ex-governador permaneça em prisão domiciliar.

“Não cabe à autoridade judiciária avaliar o quadro clínico do segregado, tal como levado a efeito pelo juiz zonal, que assim procedeu sem qualquer embasamento técnico-pericial por parte de equipe médica regularmente constituída, atitude, a meu ver, em tudo temerária, ante o risco de gravame à integridade física do custodiado”, afirma a ministra em sua decisão.