Cultivo de orquídeas ganha espaço em MS e se fortalece como atividade terapêutica

34

Redação

O cultivo de orquídeas é um negócio que tem se consolidado como importante atividade econômica no Brasil. Encontradas nas mais variadas cores e tipos, as orquídeas recebem o status de “biologicamente eternas” – elas crescem, florescem, se reproduzem e não morrem. Além da opção de renda extra, a atividade adquire ares terapêuticos. Em Mato Grosso do Sul, o cultivo de orquídeas vem se expandindo e ganhando espaço por todas as cidades do Estado e o Senar/MS contribui para esse desenvolvimento através da capacitação em Cultivo de Orquídeas. O curso será oferecido em Ivinhema, nos dias 03 e 04 de novembro, em parceria com o Sindicato Rural de Ivinhema e Novo Horizonte do Sul.

O orquidófilo e instrutor, Sérgio Ostetto, afirma que o objetivo do curso do Senar/MS é aprimorar os conhecimentos corretos e adequados para cultivo de orquídeas de modo que possam ser comercializadas. A atividade é vantajosa e de pequenos riscos. “Não existe limite mínimo ou máximo para o investimento nesta atividade. O retorno depende do investimento. Com os conhecimentos corretos sobre o cultivo, o profissional terá bons resultados”, ressalta. Em Mato Grosso do Sul, encontram-se 238 espécies de orquídeas. A mais famosa é a Cattleya nobilior, considerada flor símbolo de Campo Grande e Sidrolândia.

O cultivo de orquídeas é, acima de tudo, um hobby. “Eu costumo dizer que o cultivo de orquídeas é uma arte. É um exercício de paciência e dedicação, pois o crescimento da planta é lento. É também uma interação entre homem e natureza, quando é bem tratada, a orquídea floresce, agradecendo, se é maltratada, vai reclamar”, evidencia Ostetto.

A dona de casa Milene Lemos Yano, de São Gabriel do Oeste, já colecionava orquídeas e buscou no Senar/MS a especialização para o cultivo. “O curso é excelente, me ajudou muito. A orquídea é uma planta que requer muitos cuidados específicos, então sem os conhecimentos corretos não tem como manter”, afirma. Ela conta que também percebeu uma melhora da saúde e da qualidade de vida depois que começou a se dedicar à atividade. “Eu costumava tomar calmante, com as orquídeas não preciso mais”, completa. Milene agora está trabalhando para fazer da atividade uma fonte de renda.

No mundo, são 35 mil espécies de orquídeas naturais e 200 mil resultadas de cruzamentos. Apesar de ser mais frequente em áreas de clima tropical, a variedade é gigantesca e permite que seja cultivada em diversas áreas do planeta. O instrutor do Senar/MS enfatiza os cuidados principais com a orquídea. “A planta deve ter acesso ao sol, desde que protegida com tela de sombreamento ou pela folhagem das árvores. O local deve ser bem arejado e o adubo utilizado deve conter micronutrientes”, explica.

A orquídea pode ser plantada diretamente em árvores ou em vasos contendo substrato. A água também é essencial para o desenvolvimento da planta, porém, não deve ser irrigada em excesso. O ideal é regar a orquídea novamente após a absorção completa da água. A prevenção contra pragas e doenças pode ser feita com inseticidas, fungicidas ou defensivos naturais. “Eu recomendo e utilizo os produtos naturais, porém a escolha é livre de quem cultiva”, destaca.

Foto: Divulgação/Famasul