Sem saber lidar com crise, Dilma segue com popularidade muito baixa, mostra CNT/MDA

26

Reuters/JB

Apesar de verem a crise econômica como a mais grave, a grande maioria não quer fazer mais sacrifícios para ajudar a resolvê-la. A pesquisa mostrou que 86,7 por cento dos entrevistados não estão dispostos a pagar mais impostos e 70,5 por cento são contrários à recriação da CPMF.

Segundo a sondagem, 63,6 por cento dos entrevistados avaliam que a crise econômica vai demorar três anos ou mais para ser solucionada.

Eleições 

A pesquisa apresentou ainda cenários eleitorais para a Presidência da República. Na primeira simulação, o senador tucano Aécio Neves (MG) ganharia com 32,0 por cento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com 21,6 por cento. Em seguida vem Marina Silva (Rede), com 21,3 por cento.

No segundo cenário de intenção de voto estimulada, Marina ganha com 27,8 por cento de Lula, com 23,1 por cento, seguido de Geraldo Alckmin (PSDB), com 19,9 por cento.

Para o presidente da CNT, está clara a vinculação entre Lula e Dilma, ao mesmo tempo em que os dois são responsabilizados pela maioria dos entrevistados pelas denúncias de corrupção envolvendo a Petrobras.

“Dificilmente eles conseguem se separar um do outro. Os dois estão sendo responsabilizados na visão da população”, avaliou.

Andrade foi vice-governador de Minas Gerais, quando o Estado foi comandado pela primeira vez por Aécio Neves.

Na pesquisa encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), o instituto MDA ouviu 2.002 pessoas entre os dias 20 e 24 de outubro.

Foto: Reprodução