Trabalhadores da Solurb entram em greve novamente

30

Uma nova greve dos coletores de lixo foi anunciada no final da tarde desta quarta-feira (7). A Solurb, empresa concessionária dos serviços de limpeza da Capital alega, novamente, não ter dinheiro para pagar os funcionários, que estariam com os salários de setembro atrasados. Segundo a empresa, além dos salários, os trabalhadores também não teriam recebido o ticket alimentação no valor de R$ 372. A empresa usou os mesmos argumentos quando os trabalhadores entraram em greve no mês passado.

Diante da decisão da Solurb, a Prefeitura, em nota divulgada à imprensa, afirma que, ainda na manhã hoje (9), será solicitada à Justiça a autorização para depósito judicial à exemplo do que foi feito no mês de setembro. Na ocasião, a Prefeitura depositou judicialmente R$ 1.568.800 mil para o pagamento dos funcionários da empresa.

A Prefeitura quer ainda que o valor seja descontado do total bloqueado das contas do Município. “Será encaminhado à Justiça, por meio da Procuradoria Jurídica, o pedido de autorização para o referido depósito e também que este valor seja descontado do montante bloqueado das contas da Prefeitura”, diz a nota.

Ainda de acordo com o comunicado, o depósito judicial é necessário “até que todas as notas fiscais apresentadas pela empresa sejam auferidas para que não haja desperdício do dinheiro público, tendo em vista que a empresa recebeu, desde 19 de março de 2014, uma soma vultuosa – mais de R$ 145,4 milhões em 18 meses, cerca de R$ 7,5 milhões ao mês – valor este muito maior do que o estabelecido inicialmente no contrato – cerca de R$ 4,5 milhões ao mês).”

Bernal permanece

Também no final da tarde de ontem, a Justiça negou o pedido do MPE de afastamento do prefeito Alcides Bernal (PP). Na ação, o prefeito havia sido acusado de improbidade administrativa por causa da contratação da Mga Serv para realizar a limpeza das unidade de saúde.

A ação foi apresentada pelo promotor Alexandre Capiberibe Saldanha e o pedido foi negado pelo juiz substituto da 1ª Vara dos Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, Marcelo Ivo de Oliveira.

Cristina Viduani
Foto: Reprodução/Internet